Arthur/Davi e Ana Patrícia/Rebecca vencem etapa e temporada

Publicado em: 15/10/2015 14:33

Renan Rodrigues, em Brasília (DF) - 15.10.2015

Uma dobradinha inesquecível para duas duplas no encerramento da temporada do Circuito Banco do Brasil Sub-23. Além de vencerem a última etapa do ano, na manhã desta quinta-feira (15.10), em Brasília (DF), Arthur Lanci/Eduardo Davi (PR) e Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) também terminaram na primeira colocação do ranking, conquistando o título geral. Os jogos foram realizados no Parque da Cidade, com entrada franca à torcida.

Foi o primeiro título do Circuito Sub-23 para os quatro atletas, decididos apenas no último dia da última etapa. Ana Patrícia e Rebecca estiveram na final de cinco das seis etapas da temporada, tendo sido campeãs em duas paradas. Já Arthur Lanci e Eduardo Davi estiveram em quatro das seis finais, vencendo três etapas.

Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE) conquistaram o título com vitória na semifinal. Elas superaram Paola/Sofia (SC/DF) por 2 sets a 0 (21/17, 21/14), enquanto Andressa/Paula Hoffmann (PB/RJ), com quem estavam empatadas em pontos, foram superadas por 2 sets a 0 (21/17, 21/16) por Duda/Tainá (SE), na outra semifinal. O bronze, disputado horas depois, teve como vencedoras, Adressa/Paula Hoffmann, que venceram Paola/Sofia por (21/15, 23/21).

Na disputa do ouro, Ana Patrícia e Rebecca impusera seu ritmo de jogo desde o começo da partida. Prevalecendo na rede com ótimos bloqueios e ataques potentes de Ana Patrícia, a dupla fechou o primeiro set em 21/16. O ritmo foi mantido na segunda etapa. Rebecca, quando acionada, também passou pela defesa adversária. A mineira e a cearense conseguiram fechar a segunda parcial em 21/18 e o jogo em 2 sets a 0.

"Foi uma química muito legal. Treinamos apenas antes da primeira etapa, nas demais, ambas estavam em outras competições, com outras parceiras, então foi muita conversa dentro de quadra. Acredito que meu amadurecimento também ajudou, por ser mais velha, ter disputado outras edições do Sub-23, consegui passar tranquilidade para ela dentro de quadra. Durante as partidas, sempre busquei deixá-la confortável, sem cobrança. Nos demos muito bem", disse a cearense Rebecca, de 22 anos, em sua despedida da base.

Ana Patrícia, de apenas 17 anos, também comemorou o título, mas em especial a oportunidade de adquirir experiência com uma parceira mais madura.

"Eu não conhecia a Rebecca e estava preocupada, sem parceira para jogar. Apareceu a oportunidade e foi sensacional, ela acabou me passando muita coisa. Fizemos praticamente todas as finais, um aproveitamento muito bom. O nível do Sub-23 está muito alto, com várias atletas de Open, servindo a seleção brasileira, então em meu primeiro ano completo, levar esse título é algo muito positivo, estou muito feliz", destacou a mineira.

Se a disputa da temporada foi decidida ainda nas semifinais no torneio feminino, no masculino o resultado saiu apenas na final. Arthur Lanci/Eduardo Davi (PR) estavam empatados em pontos com Vinícius e Matheus Baby (ES/RJ). Os dois times chegaram à decisão. A dupla paranaense eliminou Vitor Micael/Luccas (DF) por 2 sets a 0 (21/15, 21/13), enquanto o carioca e o capixaba venceram Maia/Jonas (RJ) por 2 sets a 1 (21/19, 18/21, 16/14).

A disputa pelo título foi uma síntese da temporada, marcada pelo equilíbrio. Igualdade tão grande que Vinícius e Matheus tiveram a oportunidade de fechar o jogo no tie-break, desperdiçaram e sofreram a virada: 2 sets a 1 (19/21, 21/14, 17/15). O bronze ficou com Maia e Jonas, que venceram o time da casa por 2 sets a 0 (21/17, 21/15) e completaram o pódio.

"Já havia disputado e vencido o Sub-19, mas foi meu primeiro ano no Sub-23. Sabíamos que seria muito complicado, nossa expectativa era mesmo de que apenas na final o título fosse definido. E foi o que aconteceu. É um orgulho enorme atingir essa marca", disse Arthur, campeão mundial Sub-19 ao lado de George, em 2014.

"Acho que esse título é a representação de uma evolução, do trabalho diário no nosso CT. É difícil manter uma regularidade tão grande, chegar em mais da metade das finais. Queremos chegar a um nível olímpico, mundial. E superando situações adversas aqui, teremos bagagem para quando alcançarmos degraus mais altos", analisou Davi.

Brasília (DF) é a etapa final da temporada, que contou com seis eventos. Os campeões de cada naipe recebem R$ 3,7 mil nos dois naipes. Os quatro primeiros colocados de cada parada são premiados em dinheiro. Além disso, as três melhores duplas ao final do ano, no ranking geral, são credenciadas para receberem o Bolsa Atleta.

VEJA A GALERIA DE FOTOS

VEJA OS RESULTADOS DO DIA